terça-feira, dezembro 11, 2007

Quanta Terra 04

@copyright Mafalda Santos

Um grande reserva de 2004 feito com castas tão tradicionais e
conhecidas como a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca e Tinta Roriz.
Acompanha bem pratos de carne vermelha ou porque não uns secretos de porco preto?

Gerações


Fizeram-se 3600 garrafas deste Monte da Penha.
As castas são alicante bouschet, aragonês e trincadeira e estagiaram em carvalho Allier.
Uma homenagem bem conseguida.

Herdade S.Miguel aragonês


Um monovarietal que a Herdade de São Miguel lança.
É 100% aragonês e estagiou em carvalho francês.

Votos de Boas Festas

Esporão garrafeira 2004
















Private selection é o nome já conhecido dado ao topo de gama, garrafeira, da Herdade do Esporão.
As castas são predominante alicante bouschet e aragonês.
O rótulo ficou a cargo do artista Pedro Cabrita Reis.

quinta-feira, novembro 08, 2007

Quinta de Roriz vintage 2005


O tradicionalismo impera nesta Quinta quer pelas uvas que são colhidas e escolhidas manualmente quer pela pisa a pé, feita em lagares tradicionais de granito.

Este 2005 é um vintage de cor densa, com notas de especiarias e taninos suaves.

Acompanha bem queijos tradicionais como o Serra ou Ilha ou, para os mais gulosos, só com a companhia de bons amigos.



mais info em: www.quintaderoriz.com

o novo Vinha de Lordelo

É de 2005. A segunda edição deste Lordelo.
Um doc composto por castas como Sousão, Tinta Amarela, Touriga Nacional e Tinta Roriz entre outras.
Na boca mostra-se equilibrado, macio com os taninos bem presentes.
Apesar dos seus15.5º o álcool não é um impedimento na prova.

Quinta da Estação 2005

É um vinho corrente com uma relação qualdade-preço surpreendente.
A nossa imagem vem reforçar a aposta do produtor na produção de vinhos diferenciados.

Vale da Raposa touriga 2005

Mais uma novidade do produtor Alves de Sousa.
Um touriga à séria para desafiar qualquer gosto mais exigente.
A casta portuguesa por excelência mostra-se aqui com taninos elegantes, macio e encorpado.

Poeira 2005


Este tinto de Jorge Moreira é feito a partir de vinhas muito velhas.
A edição de 2005 vem consolidar um projecto com pernas para andar.

www.poeira.pt

quarta-feira, novembro 07, 2007

A Casa de Cello tem novidades









São Duas Quintas.
Duas regiões.
São duas novidades.
Um mesmo produtor.
Um branco e um tinto.
O Quinta de Sanjoanne escolha 2004 e o Quinta da Vegia 2005 são as novidades que o Outono traz.
O Sanjoanne continua a ser feito a partir do alvarinho, chardonnay e avesso.
O Vegia com forte componente de touriga nacional e aragonês.

quinta-feira, outubro 25, 2007

Vallado reserva 2005


O enólogo Francisco Olazabal assina mais uma colheita de Vallado reserva.
Foram produzidas 17.000 garrafas com as castas tinta roriz, tinta amarela, touriga nacional, franca e sousão.
É um reserva puro veludo, carnudo e com taninos muito presentes.
A Quinta aconselha acompanhar com pratos de caça num serviço entre 17º e 18º.

quinta-feira, outubro 11, 2007

Collection

Este será o primeiro de vários.
A promessa foi feita e a colecção tem início com esta colheita de 2005 da Ramos Pinto.
As imagens são velhinhas nossas conhecidas e pululam o nosso imaginário quando se fala deste produtor e, mais especificamente, dos seus vinhos do porto.
Mesmo assim vale a pena dizer que as imagens foram idealizadas por René Vincent.
As castas, já agora, são touriga nacional, touriga franca e tinta barroca.
Engarrafaram-se 40.000 garrafas.

La Rosa

A Quinta de La Rosa há muito que nos habituou a vinhos de grande qualidade.
Com uma imagem refrescada o reserva de 2004 não é excepção.
Feito a partir de um lote de uvas de vinhas velhas (cerca de 70%) e de outras como a touriga nacional e o tinto cão.
À pisa tradicional, a pé, e a posterior fermentação em lagares de granito sucedeu-se o estágio em barricas de carvalho francês.

Quinta de Sanjoanne superior

Com predominância da malvasia fina a Casa de Cello lança este Quinta de Sanjoanne superior 2005.
Um regional do Minho onde a madeira é muito ténue.
É um bom vinho para beber já ou para guardar pois tem uma capacidade de envelhecimento muito sui generis.
Acompanha bem pratos de peixe como o robalo ou salmonetes.
Se for mais afoito experimente acompanhar com uma carne grelhada.

João Paulo Martins


Pelas mãos da Livros d`Hoje é lançado o guia de Vinhos de Portugal 2008 do conhecido João Paulo Martins.
Inclui o habitual guia de bolso destacável e as habituais notas de prova dos vinhos que por cá se produzem.
As informações são preciosas.

Arte e o Vinho


Inaugura hoje a exposição Ever-changing de Jeanine Cohen na Caroline Pagès Gallery.

Fica patente até 17 de Novembro mas quem aparecer hoje na inauguração às 22 horas pode apreciar um bom tinto.

www.carolinepages.com

Jeanine Cohen, Plenty of Empty N°XII, 2007,
acrílico s/ madeira, 80 x 70 x 12 cm (2 peças)

quarta-feira, outubro 10, 2007

Quinta Cidrô pinot noir


A Quinta do Cidrô lança um monocasta inédito.
Pinot Noir é a protagonista.

terça-feira, outubro 02, 2007

Amália Garcia

É mais um lançamento de Francisco Nunes Garcia.
Amália Garcia é um vinho de 2006 feito 100% a partir da casta alicante bouschet.
As escassas palavras referenciadas no contra rótulo não ajudam a adivnhar o que se encontra dentro da garrafa.

sexta-feira, setembro 21, 2007

Casa Santar reserva 06

Encruzado, Cerceal e Bical provenientes de solo granítico e com estágio em barricas de carvalho francês.
Daqui resulta um vinho com um intenso aroma de frutos tropicais e baunilha em equilibrio com a madeira produzido pela Casa de Santar.
Este reserva branco acompanha pratos de peixe.

D`Avillez garrafeira 2000


Com uma imagem diferente da que estávamos habituados o garrafeira de 2000 D`Avillez mantém a qualidade habitual.
Produzido por Jorge de Avillez a partir das castas trincadeira e aragonês, as tradicionais alentejanas.
Engarrafaram-se 6.804 garrafas deste tinto que acompanha bem com comida regional alentejana e queijos curados.

Vale das Areias 05


De Alenquer vem um sauvignon blanc com arinto feito pelo Eng. Rafael Neuparth.
Cor citrina e aromas frescos a maçã em harmonia com a acidez que mostra na prova.
Acompanha na perfeição pratos de peixes fumados como o salmão ou bacalhau, canapés e peixes magros.

sábado, setembro 01, 2007

Altano reserva 2005


Já chegou o sucessor do reserva 2004.
O Altano reserva 2005 é tinto com 75% de touriga francesa e 25% de touriga nacional.
Com o binómio preço-qualidade a justificar que um reserva tinto não tem de ser pago a peso de ouro.

quinta-feira, agosto 09, 2007

Anselmo Mendes alvarinho curtimenta 2005

Já conhecíamos o Muros de Melgaço e Antigos, sempre com o Alvarinho em pano de fundo.
Desta feita surge o topo de gama em verdes feito pelas mãos conhecedoras de Anselmo Mendes.
É um vinho feito à moda antiga, com curtimenta e um estágio de 9 meses em barricas usadas, sobre as borras totais.
A cor é de um amarelo cítrico e no aroma notam-se a fruta intensa e floral.
Diz o contra rótulo que esta metodologia é aplicada "em memória dos sabores antigos".
Está a tradição de parabéns!

sexta-feira, agosto 03, 2007

Herdade São Miguel reserva 05



Aragonês, alicante bouschet e cabernet sauvignon são as castas que compõem este reserva da Herdade São Miguel.
Após um estágio de 12 meses em barricas novas de carvalho francês sucedeu-se um estágio de 6 meses em garrafa.
Um projecto sito no Redondo que apesar de jovem, nasceu em 2001, tem pernas para andar.


www.herdadesaomiguel.com

segunda-feira, julho 30, 2007

Senhora da Ribeira vintage 2005

O Dows Quinta Senhora da Ribeira vintage 2005 é a outra novidade a par do Quinta do Vesúvio vintage, também de 2005.
Com um perfil mais acentuado no que toca aos frutos vermelhos este vintage mostra que tem garra.
As vinhas velhas e o clima mais seco do Verão imprimiram ao porto uma grande concentração e complexidade.
O resultado é um vintage com uma cor opaca com aromas concentrados e aromas frescos e florais.

Quinta do Vesúvio vintage 2005


A Symington lançou o Quinta do Vesúvio vintage de 2005 que, assim, vê agora a luz do dia.

Tendo sido registada a colheita mais precoce da Quinta, iniciada em finais de Agosto, e a mais lenta não foi por isso que a qualidade foi afectada.


Estamos perante um vintage vinificado em lagares tradicionais, de pisa a pé, com uma composição maioritária da casta touriga franca, casta esta que teve um papel preponderante na qualidade pois atingiu um elevado grau de maturação pelo facto de ter sido vindimada mais tarde.

É um vintage que pode ser bebido jovem mas para os mais pacientes a maturação ideal será atingida dentro de 15 a 20 anos.

Esta edição de Quinta do Vesúvio traz, na compra de 6 garrafas, oferta de um livro sobre a Quinta numa apresentação em baú de madeira.


Quinta da Vegia rosé


Proveniente das castas tinta roriz e touriga nacional o Quinta da Vegia rosé de 2006 rompe com a linha de vinhos rosés no mercado.
Neste vinho não vale a pena tentar encontar o famoso "xarope" tão característico de muitos dos rosés que encontramos no mercado, simplesmente não está lá!

Quase se pode arriscar dizer que engana muitos, em prova cega.
No nariz encontramos morangos e notas de framboesas e na boca frutado qb, com final longo e persistente.

Para quem gosta de um rosé à séria!

segunda-feira, julho 16, 2007

Cedro do Noval 2004

@copyright Mafalda Santos
A Quinta do Noval lançou este tinto que dá pelo nome de Cedro do Noval.
De um vermelho profundo e aroma a frutos vermelhos provenientes das castas touriga nacional (40%), tinta roriz (40%) e touriga franca (20%) o resultado não podia ser melhor.
Tem 14.5% este doc que acompanha lindamente pratos de carnes vermelhas.

Diálogo 2005

@copyright Mafalda Santos
Mais um desafio de Dirk Niepoort.
Um vinho para o dia-a-dia com taninos muito macios, fresco e frutado.
A vindima, manual, das castas touriga franca, touriga nacional, tinta roriz, tinto cão e tinta amarela deu origem a este tinto que estagiou 12 meses em carvalho (20%) e em inox (80%).

J 2005


De nome simples J é o novo vinho de Jorge Nobre Moreira.

Depois do já sobejamente conhecido Poeira, este J de 2005 é um Douro robusto e diferente.

segunda-feira, julho 02, 2007

o rosé da Raposa


A casta nobre do Douro dá o ar da sua graça com este rosé.
O Vale da Raposa rosé é um vinho a meio caminho entre o frutado e o seco.

A relação qualidade/preço dita o resto.

William Cole


A casta é Carmenere, importada de França em 1860.
Este chileno da William Cole é o resultado de uvas seleccionadas manualmente.
Parte do vinho estagiou em madeira tendo sido incorporado no restante que não foi à madeira.
O resultado é um tinto ligeiro com notas apimentadas e frutos vermelhos.
Deve beber-se a uma temperatura de 16º a 18º.
Mais uma aposta da Garrafeira Campo de Ourique no que concerne a vinhos estrangeiros.

Espumante do Perdigão















Proveniente de um clima temperado, surge agora o espumante da Herdade do Perdigão.
Feito a partir da casta arinto, mostra uma finura de boca e uma complexidade qb.
Acompanha bem mariscos e peixes grelhados.

A Bacalhoa em branco





















Já lá vão 25 anos que se produz o tinto da Quinta da Bacalhoa. E para assinalar este facto surge a versão Branco da mesma marca.
Feito a partir das castas Sémillon (50%), Alvarinho (25%) e Sauvignon Blanc (25%) estagiou 6 meses em barricas novas de carvalho francês Allier.

A enologia das 8000 garrafas produzidas ficou a cargo de Filipa Tomáz da Costa.

Inevitável

Era inevitável que a Casa Santa Vitória fizesse um vinho assim.
A combinação da touriga nacional com merlot é audaz!
O resultado perfeito!
Encontram-se os aromas mentolados do Alentejo mas nada mais parece adivinhar de onde vem este tinto.
Este vinho envolvente e encorpado estagiou 8 meses em madeira.

Colares do Oriente

A parceria entre o produtor e a Fundação Oriente foi crucial para que estes dois vinhos surgissem.
O tinto é feito 100% a partir da casta ramisco, ou não fosse este um vinho de Colares.
O branco acompanha bem pratos de peixe, no forno, e queijos de meia cura.
Já para o tinto a sugestão vai para as carnes vermelhas.

Munda 2004




quarta-feira, junho 27, 2007

Quinta do Alqueve tardio


Ano de 2005.
Solo maioritariamente argilo-arenoso.
Casta: fernão pires.
Falamos do Quinta do Alqueve tardio de 2005!
Com notas de mel e uma untuosidade que faz o casamento perfeito com a acidez de um ananás.
É persistente na boca e bastante equilibrado.

terça-feira, junho 26, 2007

Vale do Ancho 2004


Tal como Duarte Calvão escrevia no Diário de Notícias é difícil perceber, em prova cega, se se trata de um vinho alentejano.
As castas que compõem este robusto vinho são o aragonês e o alicante bouschet.
Estagiou entre 8 a 10 meses em barricas novas de carvalho francês ganhando uma cor granada/acastanhada profunda.
É um vinho complexo mas de fácil trato com notas de ameixa e cereja preta em prfeira harmonia com a madeira.
O produtor recomenda que se beba com pratos requintados de caça, patés e queijo a uma temperatura de 16º a 18º.

quinta-feira, junho 14, 2007

Vinho da Madeira


Como resultado de um mercado com
novas exigências na área dos
vinhos da Madeira,
disponibilizamos agora
uma gama de madeiras datados:
Blandys sercial 1966 (75cl)
Blandys bual 1968 (75cl)
Blandys verdelho 1977 (75cl)
Cossart Gordon sercial 1960 (75cl)
Cossart Gordon sercial 1988 (50cl)
Cossart Gordon malmsey 1994 (50cl)
Cossart Gordon verdelho 1995 (50cl)




30 de Junho
entre as 15h e as 21h

Gare Marítima de Alcântara

uma oportunidade para provar o que no Dão se anda a fazer...

sexta-feira, maio 25, 2007

Roux Père & Fils


Alargando a panóplia de representações a nível de vinhos estrangeiros a Garrafeira Campo de Ourique aposta em mais uma casa francesa.
Depois do sucesso verificado com os Chablis da La Chablisienne vem o produtor Roux Père & Fils.

Dos vinhos importados contamos com referências com uma boa relação qualidade/preço .

Roux Pere & Fils - Puilly Fuisse
Roux Pere & Fils - Mersault
Roux Pere & Fils - Chassagne Montrachet
Roux Pere & Fils - Corton CharleMagne
Roux Pere & Fils - Bourgogne Pinot Noir - La Moutonnière
Roux Pere & Fils - Saint Aubin 1er Cru Les Grands Epenots
Roux Pere & Fils - Pommard 1er Cru Les Grands Epenots
Roux Pere & Fils - Vougeot 1er Cru Les Petits Vougeots

sexta-feira, maio 18, 2007

Grandjó Late harvest


A Real Companhia Velha continua a fazer um dos colheita tardia mais significativos no mercado.
As uvas que o compõem são a Semillon que, com o seu estado de podridão nobre são colhidas para fazer este precioso néctar.
Desta feita sai o 2005 com uma garrafa ligeiramente diferente.

Condes de Santar



Da Casa de Santar saem duas novidades fresquinhas!
O Condessa de Santar branco e o Conde de Santar tinto.
Condessa de Santar é feito a partir de castas como o encruzado, o cerceal branco e o arinto.
Tem uma untuosidade e frescura equilibradas e persistentes na boca e no aroma encontramos especiarias.


O Conde tem na sua composição a touriga nacional, o alfrocheiro preto e o tinto cão.Esteve 12 meses em barricas novas de carvalho francês que lhe conferiu uma cor retinta, notas de tabaco e frutas vermelhas e negras.
Tem uma grande profundidade e elegância conjugado com um final de boca longo.

Leo d`Honor 2003




A Casa Ermelinda Freitas lança o Leo d`Honor 2003.
Com imagem nova e composto pelo mesmo castelão a quenoa habituou nas edições de 2001 e 1999.
Estagiou 12 meses em meias pipas de carvalho francês e outros 12 em garrafa.
O enólogo Jaime Quendera conseguiu com este tinto de 14,5% um aroma concentrado de especiarias e compotas.
Na boca há nuances a tabaco e chocolate assimiladas durante o estágio na madeira e nota-se o corpo com final de boca elegante e persistente.